Cia  da palavra

A poética transforma a palavra num cristal de rara beleza.

Ler é nobre.
Meu Diário
25/05/2020 10h16
Sem lenço e sem documento

Cadê? Cadê?

Cadê os artistas brasileiros?

Os malucos belezas do país?

Ninguém fala, nem canta.

Que o Chico Buarque nos resgate

 e Caetano Veloso reconverse o reconvexo 

quando caminhar de contra ao vento , no

sem lenço e sem documento.

Ao encontrar em uma curva da estrada de Santos, Gil, em um palco sideral 

junto com os novos baianos.

Não tem escolha,careta, vou descartar.

Quem não seguir o mendigo Joãozinho no Planalto Central do País.

Que país é esse?

Que país é esse?

Canso de ver Marias e Marias na corda bamba.

Quero os bambas do samba.Fala Mangueira!

Cruzar a América Latina sob o olhar de um menino latino americano, sem dinheiro no banco.

Que país é esse?

Que país é esse?

A sua piscina está cheia de ratos e as ideias não são as mesmas de há dez mil anos atrás.

Tudo corre em segredo de estado, a televisão deixando burro, muito burro Burro demais!

Não sei se foi o sorvete que me deixou gripado pelo resto da vida ou a vida que me levou...

Vida leva eu.

Vida leva eu.

Para cantar como os nossos pais. Quero a geração Coca-Cola massacrando com amor a geração X.

Só os loucos sabem que o meu partido é não ter partido.

As ilusões estão todas perdidas.

Quero falar com você. astronauta:

Que criancas não trabalham, crianças dão trabalho.

Quero educar e ser educado.

Celebrar e  ser celebrado.

Andar descalço pelo Aterro e sentir a brisa da Copacabana , princesinha do mar.

E em um trem para as estrelas,

viajar entre galos,noites e quintais.

Brasil, mostra a tua cara !

A cara da tua gente,gente humilde, que vive nas mesmas praças e nos  mesmos bancos.

Nas andanças quero ser seu par e quando me perguntar por onde andei...Vou gritar pra todo mundo ouvir:

Tem gente boa espalhada por este Brasil e vai fazer deste lugar um bom país.

Cristina Santos

25/05/2017


Publicado por COSMO em 25/05/2020 às 10h16
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
06/02/2020 19h37
A Luz

A luz

 

Precisamos acreditar.

Perceber a nossa importância.

A nossa beleza.

Ter certeza do amor, da vontade.

Esquecer a idade...

Sair, correr mesmo em pensamentos...

Cavalgar, galopar sobre estrelas...

Colher a orvalhada manhã.

Não despontar num dia nublado.

Beijar a si própria.

Gritar ao próprio ouvido.

Esperar com esperança

o dia agora

e acreditar

que tudo será

do jeito que se quiser

porque acreditamos, 

porque sorrimos,

porque vivemos

e contagiamos com a vida.

 

Nelmara Cosmo


Publicado por COSMO em 06/02/2020 às 19h37
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
15/12/2019 12h45
Por que ?

Cidade tão linda,

Tão abençoada.

Rio de janeiro,

Verão o ano inteiro.

Pessoas perdidas 

Andando sem rumo ..

Bares cheios de tédio,

Cheios de tudo.

Desgraça sem graça.

De um Rio hospitaleiro,

Guerreiro

Que luta em suas lutas pela igualdade.

Rio tão lindo!

Minha terra natal.

Choro a violência derramada,

A paz esquecida numa rua qualquer.

A


Publicado por COSMO em 15/12/2019 às 12h45
 
07/12/2019 10h24
O tempo especial

O tempo cuida

De cada tempo.

O tempo zela.

O tempo guarda

 aquela mesa colocada no quintal.

O tempo guarda o sorriso.

O tempo observa a toalha alva de uma manhã de sol.

O tempo contempla

Os bancos artesanais, 

O tempo olha a  árvore ao longe de um verde presente .

O tempo penetra e busca pensamentos 

Que agora transformo em poética .


Publicado por COSMO em 07/12/2019 às 10h24
 
13/11/2019 19h08
Mãos

Mãos que trafegam mais. Mãos que representam ais.

Mãos de mães demais.

Mãos de amor eternamente.

Mãos de mães são para sempre .


Publicado por COSMO em 13/11/2019 às 19h08
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 1 de 8 1 2 3 4 5 6 7 8 [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras